sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Aproveitando a sorte

As vezes o que era para ser apenas um desejo acaba virando realidade. O que passo a relatar agora aconteceu conosco há cerca de dois anos e foi o nascer de uma amizade muito forte. Somos o que pode se definir como um casal bonito, jovem e descomplicado, vivendo intensamente uma relação franca e cheia de erotismo, que já dura oito anos. Moramos em um condomínio pequeno e que acabou por nos reservar uma grata surpresa: Gil, um moreno de 22 anos, corpo atlético e jeito de adolescente, que cativava por sua simpatia. Como somos visinhos de apartamento, logo nasceu uma amizade. Ele, sempre disposto a ajudar no que fosse solicitado, tinha acesso livre em nossa casa, onde inclusive trazia suas namoradinhas para que nós conhecêssemos. Em uma noite enquanto transava com minha mulher, ela perguntou o que eu achava de Gil. É um bom rapaz, respondi. Ela me confessou que achava ele um tesão e que já sonhara várias vezes sendo penetrada por aquele garoto. Eu estimulei ela a contar seus sonhos o que acabou por esquentar nossa transa. Tudo bem, eu disse meio que por brincadeira, desde que eu esteja presente e também participe da festa. Falamos sobre o seu corpo bem definido e sem pêlos, sobre sua simpatia e beleza juvenil, e ambos concordamos que ele ainda deveria ser virgem. E ficou só nisso. Uns quinze dias depois, o dono do escritório premiou nossa equipe por sua produtividade, deixando o dia livre. Voltei para casa pensando em finalizar um projeto em que estava trabalhando. Chegando em casa encontrei roupas de homem jogadas na sala: calça jeans, camiseta, tênis e uma cueca. Na hora eu imaginei o que estava acontecendo, mas quem estaria traçando minha mulher? Ao caminhar em direção ao quarto, tropecei em uma cadeira fazendo um enorme barulho. Corri até o quarto e abri a porta, quando me deparei com Gil, sozinho, tentando esconder sua nudez com uma calcinha entre as mãos. Não acreditei no que vi: aquele garoto era mesmo um tesão. Percebi que minha mulher se escondera no closed e resolvi tirar proveito da situação. Perguntei o que ele estava fazendo ali, pelado no meu quarto, segurando aquela calcinha. Ele estava mudo e eu insisti. Gosta de usar calcinha seu safado? Acho que por medo, mas ele acabou por confirmar com a cabeça. Então veste para eu ver, ordenei. Precisei ordenar duas vezes, mas ele, mesmo cabisbaixo, acabou por obedecer. A calcinha, vermelha e bem pequena ressaltou o seu volume entre suas pernas, deixando-o ainda mais gostoso. Vire-se, ordenei novamente. Ele virou e eu pude ver como sua bunda era perfeita. Eu chegei por trás, encoxei-o e antes que ele pudesse reagir, abraçei-o pela cintura. Firmei uma mão em sua barriga e a outra enfiei na calcinha, envolvendo todo o seu pau, que de imediato deu sinal de vida. Ele tentou escapar mas eu segurei firme e disse que ele ficasse quieto, ou todo mundo iria saber que ele adorava usar calcinhas. Brinquei com seu pau, já totalmente duro, enquanto forçava minha respiração bem próximo ao seu ouvido. Percebi que apesar do medo ele começava a gostar da situação. Então joguei o meu corpo sobre o seu, caindo sobre ele em cima da cama. Ele permanecia sem reação. Então eu comecei a beijá-lo na nuca e quando percebi que ele já estava entregue à situação, fui beijando suas costas até chegar à sua bunda. Tirei a calcinha e enfiei a lingua entre suas carnes, lubrificando o seu cuzinho. Quando eu coloquei o meu pau entre sua bunda ele novamente ameassou reagir e eu disse um ríspido "não". Você agora será meu, insisti. Puxei o seu quadril um pouco para cima e comecei a forçar a entrada. Ele colocou a cabeça entre os travesseiros e acabou por ajudar a penetração, rebolando e empurrando sua bunda em minha direção. Foi preciso pouco tempo para enterrar todo o meu pau dentro daquele garoto maravilhoso, que gemia de prazer. Sem tirar o meu pau de dentro do seu cu, coloquei-o de quatro e enquanto acelerava meus movimentos, iniciei uma punheta em seu pau. Gozamos juntos e ele desabou na cama, mas eu queria mais. Coloquei ele de frente, na posição de frango assado, e ao retomar a penetração percebi que ele estava com os olhos fechados e o semblante carregado. Com o meu pau ainda atravessado em suas carnes, chamei o seu nome delicadamente. Só então ele me olhou nos olhos, que estavam cheio de lágrimas. Ele perguntou se iria guardar o nosso segredo, o que garanti de imediato. Ele esboçou um leve sorriso e eu selei nossa amizade com um beijo em sua boca, retribuído com muito tesão. Gozei novamente. Depois, quando ele foi embora, entrei no closed e perguntei para minha mulher o que ela tinha achado. Ela estava com um consolo dentro de sua buceta, disse que gozou várias vezes imaginando participar da brincadeira e que queria ser penetrada como eu havia feito com Gil. Sem deixar escapar o consolo, ela ficou de quatro oferecendo o seu cuzinho para mim. Eu não perdoei e acabamos por gozar juntos. Gil ficou uns dias meio envergonhado, nos evitando, mas acabou retomando nossa amizade e de uma forma muito mais intensa. Eu acabei descobrindo o que minha mulher já sabia há algum tempo, que ele é um amante maravilhoso, e que se mostrou excelente também como ativo em nossa relação. Mas essa é uma outra história que contarei depois 






|CONTO OFICIAL|

Nenhum comentário:

Postar um comentário